Mundo

Sexo com funcionária teria motivado saída de Bill Gates do comandando da Microsoft

Segundo o Wall Street Journal, o conselho da empresa contratou um escritório para investigar o relato de uma engenheira de software que alegava estar mantendo um relacionamento sexual.

(Foto: Reprodução/Innovation)

O fundador da Microsoft, Bill Gates afastou-se do comando da empresa, no ano passado, por causa de um caso extraconjugal com uma funcionária.

Segundo o Wall Street Journal, o conselho da empresa contratou um escritório de advocacia, em 2019, para investigar o relato de uma engenheira de software que alegava estar mantendo um relacionamento sexual com Bill Gates por alguns anos.

Em março de 2020, ainda durante a investigação, ele deixou o conselho 3 meses depois de reeleito alegando que iria se dedicar a projetos filantrópicos ao lado da mulher @melindafrenchgates. No início de maio, Gates e Melinda anunciaram divórcio depois de 27 anos de casamento.

O Wall Street Journal também publicou uma reportagem afirmando que Melinda tinha reuniões com advogados especializados em divórcio desde 2019.