Ceará

Prefeito de Pacajus é alvo de uma série de denúncias e irregularidades

Bruno Figueiredo (PDT) é denunciado por suposto superfaturamento na compra de livros, repasse irregular de R$ 500 mil para time de futebol privado, coleta de lixo, nepotismo familiar e abuso de autoridade.

 

O prefeito municipal de Pacajus, Bruno Figueiredo (PDT) está sendo alvo de uma série de denúncias envolvendo suposto superfaturamento na compra de livros, repasse irregular de R$ 500 mil para time de futebol privado, coleta de lixo, nepotismo familiar e abuso de autoridade. O prefeito do PDT é acusado de repassar R$ 500 mil — dinheiro público — para time privado de futebol que leva o nome do município. O dinheiro foi dado como patrocínio, assim o time não precisa comprovar onde e como gastará o montante. Figueiredo contou com o apoio de 12 vereadores do município para aprovar o repasse irregular.

Também na manhã de hoje, (12) pais de alunos se reuniram na frente do Fórum da cidade para protestar e impedir que o gestor ordenasse o fechamento de 4 escolas públicas no município, na qual alega falta de recursos.

Figueiredo (PDT) também é denunciado pela coleta de lixo irregular, registros mostram ruas tomadas pelo lixo. O gestor desembolsa cerca de R$ 400 mil mês para deixar o município limpo.

Recentemente o gestor também se envolveu em acusações de irregularidades na gestão com novos indícios que apontam desvios de recursos públicos e favorecimentos em licitações viciadas. Por exemplo; Bruno contratou a empresa Eric Medeiros Didáticos Editora Ltda para escrever um livro sobre a história de Pacajus. O custo do trabalho é de R$ 1.699.100,00. A obra foi distribuída a alunos do ensino fundamental.

O gestor nega todas a acusações e irregulares.