Ceará

Cresce no Ceará o número de criminosos liberados pelo estado de volta às ruas

Segundo levantamento feito pela Revista Ceará, no mês de julho de 2017 eram cerca de 1.589 criminosos com tornozeleiras ativas. Já em julho deste ano de 2019, o número saltou para 4.876 tornozeleiras ativas em uso por criminosos, o triplo de 2017. 

Cresceu no Ceará o número de criminosos liberados pelo estado de volta às ruas. Juntamente com o Governo do Ceará, o Tribunal de Justiça do Estado tenta evitar um colapso no sistema carcerário do estado, tendo como alternativa, liberar presos após fazer uso do monitoramento através de tornozeleira eletrônica.

Segundo levantamento feito pela Revista Ceará, no mês de julho de 2017 eram cerca de 1.589 criminosos com tornozeleiras ativas. Já em julho deste ano de 2019, o número saltou para 4.876 tornozeleiras ativas em uso por criminosos, o triplo de 2017.

A ideia do governador Camilo Santana (PT) e do TJ-CE é desafogar os presídios e diminuir os gastos com presos. De acordo com a Secretaria de Sistema Penitenciário do Ceará, cada preso monitorado, custa ao contribuinte R$ 169 reais, enquanto um preso no presídio pode custar mais de R$ 2 mil por mês aos cofres públicos, essa é a alegação final.

Ainda de acordo com informações colhidas, é alto o número de criminosos foragidos, após romper [cortar] a tornozeleira e fugir da justiça.