Política

12 dos 22 deputados federais cearenses aprovam fundão eleitoral de quase R$ 4 bilhões

Congresso irá definir no final do ano valor da verba pública que destinará aos candidatos em 2020. Muitos cortes na Saúde, Educação e Segurança pública ainda terão que ser feitos.

Deputados cearenses aprovam fundão eleitoral e articulam gastos com dinheiro público na compra e aluguel de imóveis, além de custear despesas com advogados e multas. Com isso, os deputados já articulam fundão eleitoral de R$ 3,2 bilhões custeados com dinheiro do pagador de impostos.

Do Ceará, o projeto contou com a aprovação de 11 deputados federais, entre eles o parlamentar da bancada evangélica Dr. Jaziel (PR). Os demais parlamentares André Figueiredo (PDT, Júnior Mano (PL), Domingos Neto (PSD), AJ Albuquerque (PP), Aníbal Gomes (PDT), Denis Bezerra (PSB), Moses Rodrigues (MDB), Guimarães (PT), Zé Airton (PT), Luizianne Lins (PT), Robério Monteiro (PDT) e Genecias Noronha (SD), completam a lista de parlamentares que votaram a favor.

A intenção da maioria da bancada cearense é de aumentar o fundão eleitoral de 2020 na lei orçamentária, votada no fim deste ano, para mais de R$ 3 bilhões.

Apenas Heitor Freire (PSL, Capitão Wagner (PROS), Pedro Bezerra (PTB), Idilvan Alencar (PDT) e Célio Studart (PV) votaram contra. 

Num momento em que o país está literalmente quebrado, chega a ser escandaloso que as campanhas eleitorais exijam quase R$ 4 bilhões dos cofres públicos para as eleições do próximo ano. Muitos cortes na Saúde, Educação e Segurança pública ainda terão que ser feitos para que os partidos políticos como PT, PSDB, PDT e MDB recebam a verba pública.

Não satisfeitos com o pretendido aumento do fundo eleitoral, os parlamentares ampliam as possibilidades de utilização do fundo partidário a ponto de transformá-lo praticamente em financiamento de caráter pessoal com aluguel e compra de imóveis, aeronaves particulares e pagamento de honorários advocatícios.