Cidades, Saúde

Prefeito de Fortaleza desqualifica operação da PF e alega motivação política

“Eu não quero crer que uma instituição (referência à PF) com tantos servidores sérios e honestos possa ter o seu trabalho contaminado por um representante que tenha eventualmente motivações políticas e eleitorais”, insinuou o gestor.

O Prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), desqualificou a Operação “Dispneia”, na qual classificou de “Fake News”, e afirma que vai acionar a Justiça para pedir explicações sobre a operação da Polícia Federal (PF), deflagrada nesta segunda-feira, 25, para apurar denúncias de desvios e superfaturamentos na compras de respiradores pela Secretaria de Saúde.

Roberto Cláudio acusa ainda a CGU de agir por trás da operação, com “motivações escusas” que podem ser político-partidárias para prejudicá-lo. “Esse ano é ano de eleição”, completou o prefeito, agora há pouco. Gestor tentou ainda justificar os altos preços na compra dos respiradores, em quatro vezes mais. A PF investiga, em parceria com o Ministério Público do Ceará e o Ministério Público Federal o desvio de recursos destinados à compra de respiradores em Fortaleza.

Eu não quero crer que uma instituição (referência à PF) com tantos servidores sérios e honestos possa ter o seu trabalho contaminado por um representante que tenha eventualmente motivações políticas e eleitorais”, disse o gestor.

Sem se referir a nomes, o prefeito afirmou que esse representante tem “cargo de confiança do presidente da República e está aqui exercendo uma missão para o Governo Federal”. A declaração foi dada ontem, durante transmissão pelas redes sociais.