Política

MPE pede a cassação da chapa Naumi Amorim (PSD) a prefeitura de Caucaia

Motivo partiu das diversas divulgações irregulares nos canais oficiais da Prefeitura (site, Facebook e Instagram), sendo considerado como abuso de poder e autoridade, de acordo com o Ministério Público Federal.

O Ministério Público Eleitoral sustenta que as publicações, que deveriam “ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, descambou para a nítida promoção pessoal do prefeito, destacando o seu nome e a sua imagem, num contexto de evidente exaltação do gestor, tudo no intuito de favorecer sua candidatura”.

O texto também cita o candidato a vice-prefeito da chapa “Caucaia Seguindo em Frente”, Enéas Góes (PSL), como cúmplice das irregularidades: “sobre os olhares complacentes do candidato a vice-prefeito Enéas Campos Góes, que, na condição de vereador e presidente da Câmara Municipal, nada fez para cessar o abuso de autoridade, já que também era beneficiário da conduta que alavancava sua chapa”.

As irregularidades podem acarretar na “cassação do registro ou dos diplomas e declaração de inelegibilidade”. Se condenados, tanto Naumi Amorim como Enéas Goes, seu vice, podem se tornar inelegíveis por até oito anos após as eleições em que se verificou a irregularidade, ou seja, até 2028.