Ceará

Ministério Público Eleitoral denuncia primeira-dama do Estado e PF pede a sua prisão

Investigações feitas pela Polícia Federal, incluindo interceptações telefônicas, levantaram indícios de que Onélia e um grupo de assessores praticou crimes de corrupção eleitoral ativa.

Nas interceptações telefônicas, a Polícia Federal constatou “a atuação permanente e o funcionamento estável da associação criminosa na compra de votos, por meio de promessas, distribuição e doação de bolas de futebol, chuteiras, meiões, leite, cestas básicas, material de construção e distribuição de dinheiro em espécie”.

O magistrado, Renato Esmeraldo Paes, titular da 31ª. Zona Eleitoral de Barbalha, recebeu a denúncia apresentada pelo Ministério Público Eleitoral contra a primeira dama do Estado. entretanto, não acatou o pedido da Polícia Federal de prisão preventiva dos indiciados. Segundo a denúncia, os acusados teriam praticado crimes eleitorais durante visitas a vários bairros de Barbalha, distribuindo dinheiro e oferecendo bens diversos com o objetivo de obter votos.

“As ações eram efetivadas por meio da distribuição de dinheiro, doação de materiais de construção e vantagens econômicas em troca de votos”, diz a denúncia do Ministério Público Eleitoral. Nas interceptações telefônicas, a Polícia Federal constatou “a atuação permanente e o funcionamento estável da associação criminosa na compra de votos, por meio de promessas, distribuição e doação de bolas de futebol, chuteiras, meiões, leite, cestas básicas, material de construção e distribuição de dinheiro em espécie”.

Em sua decisão, o juiz afirma que há “lastro probatório” que autoriza o recebimento da denúncia.