Negócios

Especialistas demostram otimismo com economia, aponta pesquisa

Em pesquisa realizada pela Fecomércio e o Corecon-Ce, seis das nove variáveis analisadas tiveram resultado positivo.

Os especialistas estão mais confiantes com relação à economia brasileira. De acordo com a pesquisa Índice de Expectativas dos Especialistas em Economia, divulgada pela Fecomércio-CE e o Conselho Regional de Economia (Corecon-Ce), das nove variáveis analisadas, seis ficaram com resultado positivo no nível geral. Dentre essas, as que ficaram índices de confiança mais altas foram Taxa de Juros, de inflação, gastos públicos e evolução do PIB.

O levantamento é relativo aos meses de julho e agosto e escutou 92 profissionais dos mais diversos setores da economia cearense, entre eles economistas, empresários, consultores, executivos de finanças, professores universitários, pesquisadores, analistas e dirigentes de entidades diversas. A pesquisa pontua de zero a 200 pontos as variáveis analisadas. Abaixo de 100 pontos configura-se uma situação de pessimismo e acima desse valor, otimismo. Nesta edição, seis, das nove variáveis revelaram otimismo: taxa de juros (116,9 pontos); taxa de inflação (111,3 pontos); gastos públicos (109,9 pontos); evolução do PIB (107,7 pontos); oferta de crédito (104,9 pontos) e taxa de câmbio (102,8 pontos). O levantamento é relativo aos meses de julho e agosto e escutou 92 profissionais dos mais diversos setores da economia cearense, entre eles economistas, empresários, consultores, executivos de finanças, professores universitários, pesquisadores, analistas e dirigentes de entidades diversas.

O número de variáveis analisadas com pessimismo declinou de sete, na pesquisa anterior, para três, na pesquisa atual: cenário internacional (99,3 pontos), nível de emprego (95,8 pontos) e salários reais (53,5 pontos), que atingiu a menor pontuação.

Conforme a metodologia, cada uma das variáveis analisadas gera três índices: de percepção presente, futura e de expectativa geral. Considerando a soma das variáveis, o índice geral saltou de 86,2 pontos para 100,2 pontos, uma elevação de 16,3% em relação à pesquisa anterior. Sobre o comportamento futuro das variáveis, a pesquisa apresenta também melhora nas expectativas, de 10,7%. Além disso, cabe destacar que a percepção sobre o desempenho presente revelou redução no pessimismo de 18,5%, registrando 92,3 pontos.